fbpx

Marina está em busca de um mundo melhor em “Man’s World”

Um dos comebacks mais aguardados do ano aconteceu e está cheio de referências

Dirigido por Alexandra Gavillet e roteirizado pela própria Marina, ‘Man’s World’ chegou para colocar ordem na casa. Marina em uma entrevista ainda disse que foi uma maneira de destacar mais o trabalho feito por mulheres na indústria musical: “parte de você apoiar mulheres é também ter ideia de quantas mulheres você contrata”.

O clipe em si e todos os visuais são inspirados nas pinturas neoclássicas no final de 1800, mais especificamente um artista chamado John William Godward, que foi conhecido pelos seus quadros de jovens mulheres. Ele usa muito dessas composições de cores modernas, como o verde menta com chartreuse ou magenta. E até mesmo os trajes foram inspirados nas obras dele.
(Na música ela se refere a um outro artista que chama Boucher, quando ela fala “bochechas rosadas como um querubim de Boucher”)

Essa inspiração neoclássica foi usada justamente para falar da “mulher através dos tempos”, até porque na música ela se refere a tempos até mais antigos (1600 por aí), na época que aconteceu o julgamento das “bruxas de Salem”. (A referência aos tempos modernos é quando ela está fazendo a selfie no meio do mato, achei chique!)

A letra da música ganha vida por pequenas metáforas, como o “refrigerante de morango” que ela toma para fazer referência ao termo “strawberry soda”, que significa ser praticamente um “objeto de desejo sexual” e mostrando os cabelos brancos dela que são “as estrelas no cabelo dela”.

A única figura “masculina” do clipe faz meio que uma menção ao universo LGBTQIA+ e a ideia de corpo X gênero (aquele “cara” pode significar uma mulher trans ou um não binárie). Fazendo referência ao segundo verso da música que tem uma crítica a um sheik de Brunei que colocou a pena de morte para homossexuais.

Total
0
Share