fbpx

10 anos de Scott Pilgrim Contra o Mundo

O filme que se tornou um marco para a cultura pop comemora 10 anos, mas alguns pontos não envelheceram tão bem.

Em Agosto de 2020, Scott Pilgrim Contra o Mundo completa 10 anos. A obra dirigida por Edgar Wright é um dos filmes mais aclamados do diretor, que conseguiu o tornar o filme extremamente popular ao longo de uma década.

Talvez um fato que impulsione a popularidade do filme, seja o elenco de atores que durante a década 10 conseguiriam impulsionar suas carreiras e se tornarem queridos pelo público.

Chris Evans e Brie Larson entraram para o time de hérois do gigantesco universo cinematográfico Marvel. Anna Kendrick fez sucesso como uma Pitch Perfect. Mary Elizabeth Winstead participou da saga Cloverfield e agora do divertido Aves de Rapina. Kieran Culkin passou despercebido por bastante tempo mas em 2020 recebeu sua 1ª indicação ao Emmy pela aclamada Succession.

E não podemos nos esquecer de Michael Cera, que depois de estrelar em Arrestment Development também está em um dos filmes de comédia mais lembrados e popular, Superbad, e do filme indie Juno.

Outro ponto do filme que o tornou um marco para a cinematografia da década de 10, foi a edição eletrizante que remete a jogos de video-games. Cortes rápidos, transições perfeitas, movimentos de câmera inteligentes e divertidas formas de metalinguagem, além das cores marcantes, fazem Scott Pilgrim ser uma obra que deixa qualquer um de queixo caído e surpreso. Com o elemento que deixa tudo mais divertido, a música. Canções originais foram gravadas para o filme e que embalam as quase duas horas de história.

Os efeitos visuais e a montagem do filme se tornaram marcos na cultura pop.

Mas nem tudo é o fim daquele jogo que você demorou horas para passar de fase e terminar. Por mais que seja um filme memorável e que traga uma proposta inovadora para o cinema enquanto edição, montagem e direção, Scott Pilgrim possui um roteiro muito escasso de criatividade e demonstra que homens – nesse caso – nerds não entendem como uma mulher deve ser retratada. 

A história gira em torno do personagem de Michael Cera em busca da “mulher de seus sonhos”, Ramona Flowers( Mary Elizabeth Winsted), que se tornou o fetiche de diversos homens nerds – aqui considerando a imagem de um que é ficcionado no mundo de cultura pop. Ela, que é uma mulher autêntica, interessante e dona de si, até se interessa por Scott como ele se interessa por ela, mas para eles namorarem é necessário que ele enfrente todos os ex-namoros de sua paixonite e a conquiste como se fosse um troféu.

A partir daí, nós, que deveríamos conhecer Ramona por quem ela é, a conhecemos a partir de seus ex-namorados, e a cada um que aparece, menos a personagem faz sentido. Desde o nerd inseguro, o ator de filmes de ação ao chefão da indústria da música, todos eles são babacas de alguma forma – e talvez muitas mulheres se identifiquem aí – mas eles não refletem quem Ramona é, e sim quem Scott gostaria de ser. 

As mulheres que aparecem no filme são submissas as histórias dos homens e se vestem de forma que alimente o imaginário masculino.

A trama é recheada de falhas de representação das personagens femininas. Todas possuem algum estereótipo revisitado diversas vezes em filmes escritos por homens: a amiga irritada, a irmã fofoqueira, a menina “bruta” que reprime os sentimentos e vê o menino que gosta ter outras namoradas, a namorada mais nova, ingênua e infantil e a mais presente durante a trama, a da ex-namorada louca.

Por isso, Scott Pilgrim é um delírio na mente de homens inseguros que não sabem se relacionar com mulheres. Ramona é o que eles querem que uma mulher seja: bonita, sexy, “diferente das outras” e que precisa de um homem para guiá-la. 

Em alguns momentos ele tenta ser representativo e “progressista” por ter a amizade de um homem gay e um homem hétero, Ramona entre seus namoros teve um relacionamento com uma mulher. Mas ele também estereotipa mulheres asiáticas e incentiva a rivalidade feminina, além de não ter nenhum personagem negro com um papel importante. 

Ramona é apresentada como uma personagem independente mas durante o filme ela torna-se submissa ao antigo namorado e precisa ser salva por Scott.

Por mais que algumas pessoas vejam o filme com o olhar romântico, a partir da perspectiva que para um relacionamento dar certo uma das partes deve provar que ama o parceiro, que deve superar obstáculos, nesse caso, parece um show de como relacionamentos não devem ser, pois nenhuma das relações que aparecem ali são saudáveis.

Por isso, Scott Pilgrim Contra o Mundo depois de 10 anos de seu lançamento pode até ser um filme popular que muitos elogiam, com elementos memoráveis e de extrema qualidade técnica, mas o filme que cresceu durante uma década que passou por mudanças por conta do movimento feminista e do #metoo, mostra que é apenas uma história para que homens brancos e nerds possam realizar fetiches. E apesar de acreditarem que são mente-aberta, não passam de homens ditando o que mulheres devem ou não ser.

ficou afim de rever o filme?

Scott Pilgrim Contra o Mundo está disponível pra streaming na Prime Video Brasil!

Total
0
Share