fbpx

Gaby Amarantos conversa com a Deezer sobre “Purakê”

A cantora revelou detalhes do processo de produção e composição desse álbum elétrico e das canções presentes nele no projeto Faixa a Faixa, original da Deezer

Gaby Amarantos está de volta com seu mais novo lançamento, “Purakê”, e prova que, para nomear um álbum tão elétrico, apenas um peixe típico da amazônia capaz de gerar até 8600 volts de eletricidade, o poraquê. Durante sua entrevista no Faixa a Faixa, exclusivo na Deezer, a cantora conta que o álbum surgiu da vontade de conectar todo mundo com o que ela chama de “uma Amazônia do futuro” e de mostrar que a música da Região Norte do Brasil vai muito além do que o grande público está acostumado.

Leia nossa review do álbum PURAKÊ da Gaby Amarantos

Para chegar mostrando para que veio, o álbum abre com duas músicas que trazem participações especiais de peso: na primeira faixa, intitulada “Última Lágrima”, Elza Soares e Alcione se juntam com Gaby para uma combinação “potente”, segundo a cantora paraense, seguida da canção “Opará”, com a cantora baiana Luedji Luna, que foi composta para “exaltar essas mulheres que vêm do asfalto, da areia e que nunca andam só”, conta Gaby.

Em seguida vem “Amor Fake”, que propõe uma reflexão sobre o momento atual que a sociedade vive, no qual estamos rodeados por fake news, pessoas fakes, amores fakes, mostrando que temos que repensar e buscar a conexão com tudo que é real. Na sequência, estão as músicas “Sangrando”, uma parceria com a artista Potyguara Bardo, e “Embraza”, uma música que surgiu da vontade de homenagear as praias de rio da Amazônia. “Essa música fala da praia de Alter do Chão (Pará), que é um point turístico de uma beleza única, dessa água que é dourada, desse pôr do sol e desse amor de verão que a gente ama”, explica a cantora.

O álbum segue com a faixa “Amor Pra Recordar”, que conta com a participação de Liniker e então segue para a sétima música e que é o xodó de Gaby Amarantos no disco. Segundo ela, “Rio” surgiu com o desejo de homenagear os rios da Amazônia, “é uma música que fala muito do elemento água e a água é o elemento do poraquê”, conta. Na sequência vem as composições “Vênus em Escorpião”, que conta com participação de Ney Matogrosso e Urias, “Selfie”, “Iniciação”, “Rolha” e, a representante tecnobrega do álbum, “Arreda”, que conta com parceria de Viviane Batidão e Leona Vingativa.

Para se despedir com chave de ouro do álbum, vêm a 13ª música, “Tchau”, que traz uma mensagem para o público refletir sobre algumas relações tóxicas que podemos estar envolvidos. “Essa é para nos livrarmos de todos esses relacionamentos, cortar o mal pela raíz e entender que um dia foi especial, para nada serve no final”, conclui Gaby Amarantos.

Ficou curioso para ouvir mais histórias eletrizantes dos bastidores das gravações de “Purakê”? Clique aqui e escute este conteúdo exclusivo da Deezer na íntegra!

Total
17
Share