fbpx

Olivia Rodrigo: vivendo seu sonho adolescente | Tradução da entrevista para Clash Magazine

Enfrentando o mundo com sua potente visão pop, Olivia Rodrigo está longe de ser uma típica adolescente. Mas apenas duas semanas atrás, a cantora era como a maioria dos outros, com os olhos brilhantes em seu primeiro baile.

Em um vestido azul-petróleo cintilante que homenageia o look de baile de sua mãe, Olivia Rodrigo balançou sob a bola de discoteca, cercada por uma decoração temática dos anos 1980. Parece muito normal para um aluno do último ano do ensino médio, certo? Para a maioria dos adolescentes, teria sido. Mas não para Rodrigo.

Além de terminar o ensino médio e ir ao baile de formatura, ela lançou seu álbum de estreia ‘Sour’, que causou um choque no mundo da música pop. E o baile dela? Para crianças que estudaram em casa (como ela) ou que perderam momentos marcantes da pandemia, foi uma forma alternativa de comemorar e que também funcionou como um filme de concerto para seus fãs. Em um ano em que os shows eram praticamente inexistentes, o mundo inteiro poderia absorver a alegria do ‘Sour Prom’ de Rodrigo enquanto ela encontrava uma maneira de se apresentar ao vivo. Afinal, ela sabia que tinha sido brutal.

No meio de um ano de “estreias”, Rodrigo, que completou 18 anos em fevereiro, acabou de se mudar para seu primeiro apartamento na zona oeste de Los Angeles. Quando falamos, ela estava radiante – recarregada de uma excursão pelo país até os Hamptons – ainda se deleitou com a glória de seu baile alternativo. “Desde que venho trabalhando em sets e fazendo música, nunca pude ir a um baile de formatura de verdade do colégio”, disse Rodrigo no Zoom direto de sua nova casa. “Para mim, foi uma experiência muito especial, porque pude marcar aquele item adolescente na minha lista de desejos.” A melhor parte, entretanto? “Eu tive que compartilhar [‘Sour’ Prom] com meus fãs, que são algumas das minhas pessoas favoritas”, acrescenta Rodrigo, enquanto mexia em seus coloridos “colares de macarrão”.

No início de 2021, Rodrigo compartilhou o que seria o primeiro single – ‘Driver’s License’ – uma balada vulnerável que despertou emoções em todo o mundo. Se você não era um Gen-Z passando por sua primeira decepção amorosa, a “driver’s license” provavelmente o deixava ansioso por dirigir até tarde da noite chorando por um ex ou o deixava nostálgico por suas antigas anotações no diário. “Foi muito legal ver não apenas adolescentes que estão passando pela mesma coisa que eu, mas também caras mais velhos e heterossexuais se relacionarem com isso e ficarem tipo, ‘Oh, isso me traz de volta quando eu terminei com minha namorada no colégio’”, lembra ela. Como compositora, foi gratificante para ela ver como a música era universalmente identificável para as pessoas.

Mas, à medida que “driver’s license” ganhava força, rumores giravam sobre a própria vida amorosa de Rodrigo: que a música – que detalha um triângulo amoroso – era sobre seu colega de elenco em “High School Musical”, Joshua Bassett, e a atriz Sabrina Carpenter. “Lembro-me de quando ‘driver’s license’ foi lançada, e todas essas grandes publicações de notícias estavam especulando sobre minha vida amorosa de 17 anos, e eu fiquei tipo,‘O quê? Isso é estranho. Eu odeio isso.’”, lembra ela. Rodrigo, que sempre fez terapia, encontrou mecanismos de enfrentamento para ajudá-la a administrar a atenção. “Tive que aprender a me dissociar do que as pessoas dizem sobre mim a esse respeito, porque no final das contas não é da sua conta se você faz o seu trabalho e faz o melhor que pode”, acrescenta ela.

Além da timeline dos tablóides, o mundo permaneceu cativado por “driver’s license” como uma masterclass em composição pop, repleta de narrativas afiadas e observações perspicazes. E seu lançamento veio em um momento em que o mundo era uma ferida aberta, ressoando como um bálsamo muito necessário de um artista que também estava sentindo tudo. Nos próximos anos, será um desafio não associar essa música com 2021: ela quebrou mais do que um punhado de registros, incluindo quebrar o recorde do Spotify na maioria dos streams em um dia para uma música fora do feriado poucos dias após seu lançamento e Rodrigo é a artista mais jovem a estrear em 1º lugar na parada Billboard Hot 100 dos EUA. Além disso, a capacidade de Rodrigo de se concentrar nos detalhes e dar um soco emocional rendeu suas comparações com Taylor Swift, Lorde e Phoebe Bridgers.

“Eu estava vendo todos esses recordes sendo quebrados, todas essas pessoas ouvindo a música e adorando, mas ao mesmo tempo, não consegui encontrar ninguém que a estivesse ouvindo. Não consegui fazer show nem nada parecido”, comenta Rodrigo. Mas, olhando para trás, ela acha que experimentar a fama que veio com a ‘driver’s license’ isolada “foi realmente ótimo para minha psique e saúde mental.” Ela encontrou conforto em sua própria bolha criativa. “Eu acho, talvez se eu estivesse em LA com todas essas pessoas enquanto a música estava crescendo, então eu teria colocado mais pressão sobre mim mesma para fazer o resto do álbum tão bem sucedido quanto aquela música” ela diz.

Enquanto alguns ouvintes se tornaram Livies dedicados (o nome de seu fandom) por causa de ‘driver’s license’, Rodrigo já havia desenvolvido uma sequência sólida nos últimos anos. Nascida na Califórnia, Rodrigo cresceu como uma garota do teatro que começou a escrever canções aos nove anos. Em 2015, ela conseguiu seu primeiro papel principal no longa-metragem American Girl: Grace Stirs Up Success. Esse projeto foi seguido por papéis em programas da Disney como Bizaardvark, onde interpretou a guitarrista Paige Olvera e em High School Musical: The Musical: The Series, onde atualmente estrela como Nini Salazar-Roberts.

Quando ela se juntou à família Disney, ela se tornou parte do fandom que veio com isso. É por isso que não foi muito surpreendente ver a transição de Rodrigo para a música, considerando que a rede foi a base para as carreiras de muitos outros, de Britney Spears e Christina Aguilera a Selena Gomez e Demi Lovato. “Sempre me considerei uma cantora e compositora que começou a atuar e realmente gostou, em vez de uma atriz mirim que fica tipo,‘Ah, vou tentar ser uma estrela pop agora’”, explica Rodrigo. Tornando-se uma sensação pop instantânea, no entanto? Isso foi inesperado. “Eu ainda me belisco sobre isso todos os dias”, diz ela sobre seu sucesso.

Mas “driver’s license” foi apenas o começo. Com singles subsequentes, como o pop psicológico agridoce ‘deja vu’ e o hino desafiador ‘good 4 u’, Rodrigo não seria considerada uma maravilha de um único sucesso ou encaixado no gênero. Apesar de seu sucesso de estreia ser uma balada arrebatadora, ‘Sour’ é sublinhada por grunge, folk e pop-punk, e o LP autoconsciente – co-escrito e produzido por Dan Nigro – está repleto de temas de melancolia, raiva, ciúme e vingança. A influência de cantores e compositores como Carole King, Alanis Morrissette e Taylor Swift (ela mesmo fez um sample de ‘New Year’s Day’ em ‘Sour’) é uma linha contundente do trabalho de Rodrigo. “Eu realmente amo as mulheres que não têm medo de falar o que pensam e dizer o que pensam”, observa ela.

‘Sour’, na verdade, incorpora Rodrigo como o autodescrito “Spicy Pisces” que ela é. “Muitas das minhas músicas são literalmente sobre choro, o que é muito pisciano, mas também estou um pouco angustiada”, explica Rodrigo. Como Liz Phair, Fiona Apple e os rockers alternativos dos anos 90 antes dela, ela canta sobre essas emoções sem vergonha. E Rodrigo expressa suas emoções sem criticar ou agredir outras mulheres. “Nunca sou o tipo de pessoa que pensa: ‘Ah, é culpa da garota que esse cara tenha feito algo errado comigo’”, diz ela. “Isso nunca fez sentido logicamente na minha cabeça, e eu não concordo com essa mentalidade.”

Leia nossa review do álbum ‘SOUR’

Com ‘Sour’, a cantora também foi elogiada por ajudar a inaugurar uma nova era do pop-punk. Influências das garotas do rock alternativo do início dos anos 2000, como Hayley Williams e Ashlee Simpson do Paramore, para Avril Lavigne e Fefe Dobson, podem ser ouvidas em todo o LP de 11 faixas de Rodrigo. Mas a paisagem mudou desde o início: Rodrigo – ao lado de artistas como Meet Me @ The Altar e Willow – está diversificando o gênero que já foi um monólito branco.

‘Sour’ permitiu que ela abrisse espaço para sua experiência vivida como uma mulher biracial filipina. “Estou muito orgulhosa de quem eu sou e de onde vim agora”, ela faz uma pausa. “Mas crescendo, eu e meus outros amigos mais étnicos crescemos neste mundo onde pensávamos que ser uma garota branca seria melhor, e você seria mais feliz, e as pessoas gostariam mais de você.” Rodrigo não segue mais essa mentalidade, mas ela sutilmente injetou “a insegurança que vem junto com crescer no mundo e descobrir seu posicionamento na sociedade” em suas composições. “Acho que raça e etnia desempenham um papel muito importante nisso, mesmo que não seja muito óbvio que sim”, diz ela. “Espero que as meninas que se sentiram como eu cresci possam se relacionar ou encontrar confiança e consolo na música que escrevo. Isso seria a coisa mais legal.”

Dois meses desde seu lançamento, a conversa sobre ‘Sour’ ainda não acabou. De pessoas que tuitam regularmente as letras das músicas do álbum, como mensagens de distância do AIM, até a internet obcecada com as alusões de “Jennifer’s Body” em seu videoclipe “good 4 u”, a estreia de Rodrigo permeia continuamente a cultura pop e a vida cotidiana. Outro dia, Rodrigo e um amigo estavam pegando um café, e uma garota veio até ela e disse: “’Eu amo muito o seu álbum. Espero que isso não seja exagero, mas outro dia eu fiz sexo durante todo [‘Sour’]. Eu estava tipo, ‘Em primeiro lugar, bom para você. Em segundo lugar, que escolha realmente interessante para fazer sexo com todas essas canções tristes de término de namoro. Mas estou tão lisonjeado.’”

Rodrigo tem estado até no centro de um debate online sobre quem é o dono da estética “adolescente” depois que sua roupa de torcida ‘good 4 u’ atraiu comparações com a banda de rock indie Pom Pom Squad e ela enfrentou alegações de Courtney Love de que ela plagiou sua promo imagem de ‘Sour’ Prom – que apresentava Rodrigo com rímel borrado e uma tiara segurando flores – rementendo a capa do álbum de 1994 do Hole para ‘Live Through This’. “Acho que ambas fomos obviamente inspirados por Carrie [o filme], mas, além disso, estou tentando não me concentrar muito nisso.”

Conforme o perfil de Rodrigo cresceu – e também a conversa ao redor dela – tem sido uma prioridade para ela gerenciar a emoção e o estresse que vêm do sucesso. “Assumir a responsabilidade pela minha saúde mental e sanidade foi uma lição muito importante que tive de aprender ao longo de tudo isso”, diz ela. “Porque é tão fácil se ferrar com toda a loucura da indústria.” Ela está se dando a graça de crescer: afinal, ela ainda é jovem e está aprendendo.

Mas ela está optando por aproveitar a alegria de tudo: Rodrigo está pegando a onda de ‘Sour’ e planeja fazer uma turnê eventualmente. Ela não tem certeza de quando. Ainda assim, isso não impediu os fãs de especular sobre mais música. Os fãs estão convencidos de que Rodrigo tem outro álbum chegando, chamado ‘Sweet’, impulsionado pela internet e uma colaboração com Sour Patch Kids para o lançamento de seu debut. Apresentado nas caixas de doces está o slogan, “Azedo, depois doce”, com “doce” em letras vermelhas. Rodrigo diz que é “um boato muito interessante”, acrescentando que ela leva “muito tempo para fazer um disco”. “Não foi minha ideia fazer o ‘azedo e depois o doce’”, diz ela. “Não tenho planos de lançar isso, mas adoro ver as teorias das pessoas.”

No entanto, olhando para o futuro, ela prevê que seu próximo LP “provavelmente será muito mais feliz do que o disco que acabei de fazer”. “Meus gostos estão sempre mudando e acho que isso vai se refletir no próximo disco”, diz Rodrigo timidamente. Embora o momento para novas músicas seja incerto, ela continua certa de suas colaborações de sonho. “Seria tão legal fazer uma música com St. Vincent”, ela reflete, acrescentando que também é “obcecada” por Jack White. “Seria legal fazer uma música com ele e ele produzir uma música minha.”

Rodrigo, cheia de ambição, sabe que se dissipou qualquer aparência de uma vida adolescente normal que ela pudesse ter. Mas ela não está brava com isso. “Estou tão feliz”, diz ela. “Estou fazendo tudo o que sempre quis fazer.” Ela está vivendo seu sonho de adolescente.

***

Introdução e entrevista por Ilana Kaplan, traduzido pela equipe do ESCUTAI.

Entrevista originalmente publicada na edição 119 da Clash Magazine e disponibilizada no site oficial da publicação, leia aqui.

Total
1
Share