fbpx

O efeito do FOMO musical

A jornada de ansiedade entre conhecer e ouvir algo novo requer um pouco mais de desapego e menos FOMO musical

O FOMO, sigla em inglês para ‘fear of missing out’ (medo de ficar de fora) é uma síndrome relacionada a tecnologia, mas foi uma recente adição ao vocabulário de pessoas que consomem cultura pop. Seja no cinema, na tv ou sobre algum artista do momento – é difícil não ficar curioso e ansioso pra saber o que é isso que todo mundo anda comentando ou ouvindo.

No caso da música é um pouco mais tenso. Quase toda semana vemos um álbum ser aclamado pela crítica, uma recomendação em massa, um boca a boca sobre aquele novo artista com chamadas dizendo que você ‘deve’ conhecer(…) e a mudança é constante, para absorver qualquer um desses conteúdos você precisa ser ágil.

A agilidade na era dos streamings com novos singles sendo lançados a todo momento é crucial, e isso só dificulta. É impossível estar a par de tudo que está no auge do momento, e por isso o desapego é necessário – o que pode facilmente ser chamado de um filtro.

Filtrar o que você vai ouvir pode ajudar a curtir com mais calma!

Não é necessário ouvir tudo de uma vez, e todo mundo sabe que dá muita vontade de tentar descobrir coisas boas só pra atualizar aquela playlist favorita, mas vá devagar. O foco é absorver o que interessa e degustar. Não gostou? tudo bem, pule para a próxima faixa.

Os streamings podem ter percebido isso quando começaram a criar playlists específicas para o seu gosto semanalmente, indicação de novos artistas baseados em outros que já escuta, algum lembrete daquele artista que você ouviu duas músicas em 2018 e adorou… mas que depois simplesmente não acompanhou mais.

O segredo é descobrir qual a fonte que mais te agrada.

Uma boa dica é: procure uma curadoria que você se identifica, algum lugar que te apresentou ótimos artistas, te indicou aquela música que te deixou no vício por meses.

E assim focar em adaptar o seu interesse, dessa maneira o gosto vai refinando, mas não de forma pedante. Refinar no sentido de saber exatamente o que você gosta e o que vai realmente te fazer ouvir aquele lançamento.

Dessa forma ninguém vai ficar perdido na playlist de mood, para quando cair algo estranho no shuffle acabar fazendo aquela cara feia.

Leia mais:

Spotify revela as tendências para 2020 com mais qualidade de vida e (claro) mais música

Total
7
Share