fbpx

Sensação do pop, AJR fala sobre novo single, processo criativo e vinda ao Brasil em 2023

O trio ainda mandou uma mensagem super querida aos fãs brasileiros e disseram se pensam em se apresentar aqui em breve

Por Matheus Izzo e Melissa Kim

Nem tudo é tão simples quanto parece. Ainda que os irmãos Met — Adam, Jack e Ryan — tenham tornado o projeto de suas vidas em um dos exemplos mais próximos da “família perfeita” na indústria da música, o trio nova-iorquino AJR dobra as mangas e gasta muito tempo para entregar ao público muito mais do que apenas um lançamento de novo single. Tudo isso fica claro em “I Won’t”, nova track de trabalho dos norte-americanos.

O AJR possui mais de 11 milhões de ouvintes mensais só nas plataformas digitais. Em quase 16 anos de existência, o grupo coleciona alguns hits como “Bang!” e “Burn The House Down”, além de álbuns bem avaliados pela mídia nos quatro cantos do planeta.

Living Room (2015), The Click (2017), Neotheater(2019) e Orchestra (2021) formam a discografia do trio, que em entrevista ao escutai, falou muito sobre o processo criativo de seus clipes e, principalmente, de suas performances ao vivo. Ah, os fofos ainda mandaram uma mensagem super querida aos fãs brasileiros e disseram se pensam em se apresentar aqui pelas nossas terras num futuro.

Confira a tradução completa da entrevista abaixo:

escutai: Meninos, vocês acabaram de lançar “I Won’t”, single maravilhoso que nós amamos por aqui! Qual foi a melhor parte em gravar o vídeo — que é tão incrível quanto a música em si?

Ryan: Ahhhh, muito obrigado! Cara, acho que, de verdade, foi um pouco estranho porque nós não tínhamos ideia de como o vídeo ficaria e nós não tivemos até ver o corte final, então, nós tínhamos que ficar filmando a mesma parte umas vinte e oito vezes para conseguirmos enquadrar os nossos rostos e os frames certinhos. A gente sentiu que estávamos presos em uma bagunça, num caos enorme… mas no final das contas deu tudo certo e a gente ficou tipo “YASSSSSSSSS!!!!”.

escutai: Que demais, meninos! A gente amou, ficou lindo! Agora a gente quer saber: vocês compartilham muita coisa no TikTok, disponibilizando aos fãs muitas imagens sobre os backstages e making off de seus trabalhos… mas, na prática, qual é a parte favorita do processo criativo de vocês, como banda, em fazer música?

Jack: Eu acho que o primeiro momento fazendo uma nova canção é o mais animador e excitante porque… você está ali fazendo o que quer, da forma mais livre o possível, sabe? Existem vários processos e etapas na gravação de uma canção e estar o mais tranquilo para compor e escrever é a melhor parte. Qualquer melodia pode funcionar, qualquer letra pode encaixar… você tem milhões de opções. Quanto mais longe você vai no processo de gravação de uma canção, mais complicado fica porque você tem objetivos específicos que acabam te limitando. Ainda assim, nós trabalhamos com muita liberdade, mas a melhor parte é sempre o começo.

escutai: Agora vamos para algumas perguntas clichês que vocês devem responder toda hora…

Jack: Imagina, nós gostamos! Manda ver!

escutai: O que fez vocês terem formado a banda?

Jack: Cara, eu acho que a paixão pela música mesmo. Acho que todo mundo descobre suas paixões em algum ponto da vida e nós descobrimos muito cedo… e fazer aquilo que você ama é absolutamente tudo que você deve fazer. Nós amamos música, a gente só meio que tentou mergulhar de cabeça nisso. Era apenas diversão no início, foi assim por algum tempo. Tinha muito trabalho, é claro, já éramos profissionais, mas não tínhamos aquela visão lucrativa de ‘ok, nós estamos fazendo isso pelo dinheiro e pelo sucesso’. Ao mesmo tempo só era muito legal de fazer.

escutai: E qual a melhor parte de ter uma banda assim com os seus próprios irmãos?

Jack: Cara, eu sei que muitas pessoas não tem uma boa relação com os irmãos, mas, acho que a partir do momento que você tem uma conexão com eles tudo é muito divertido. Soa realmente como um sonho, sabe?

escutai: Incrível, meninos! As coisas que as pessoas mais amam no AJR provavelmente são os shows ao vivo pois, de fato, vocês vão ao infinito e além na entrega de uma experiência maravilhosa a todos que os assistem, é realmente inesquecível e único, muito diferente das tradicionais performances ao vivo. Qual foi a parte mais difícil em tornar essa ideia real?

Ryan: Obrigado! Acho que a parte mais difícil foi no começo, quando estávamos tendo o feedback em tempo real das pessoas… nós começamos com baquetas iluminadas e brilhantes em algumas músicas específicas, utilizamos algumas bugigangas e efeitos visuais depois… o que foi fazendo algumas pessoas ficarem um pouco mais enlouquecidas do que outras em determinados momentos. Conforme nossas turnês e shows foram ficando maiores, nós só queríamos continuar desenvolvendo essas ideias para entender como implementar coisas como um show da Broadway, um filme, um show de mágica na performance, algo que realmente combinasse e fizesse sentido em uma coisa só. É difícil de descrever, na verdade, você tem que ir a um show pra saber! (risos)

escutai: Realmente, é uma experiência única pra todo mundo.Com tudo isso dito, nos contem: de todos os lugares que vocês já estiveram, teve um que se tornou o mais memorável ou o favorito?

Jack: Hm… sim, o mais memorável eu diria que foi um show na Noruega, tipo num grande castelo, para umas 1.300 pessoas. Provavelmente o lugar mais memorável que já tocamos. O favorito… nós somos de Nova Iorque, nascidos e criados, então todos os shows na nossa cidade se tornam os nossos favoritos, mesmo os recentes. Nós fizemos há pouco tempo um show para 12 mil pessoas aqui, toda vez que tocamos tentamos dobrar o número do público, etc, mas sempre que as pessoas aparecem é muito surpreendente. Acho que esse último aqui em NY, então, é o nosso favorito.

escutai: Ok, agora a pergunta mais importante: vocês estão planejando visitar o Brasil? (risos)

Jack: Com certeza. Muitas!!! O Ryan tem uma conexão com o Brasil, na verdade.

Ryan: Sim, minha namorada é do Brasil! Nós estivemos aí algumas vezes mas, para turnês… a gente espera que no ano que vem. Há algumas coisas ainda sendo planejadas e acertadas, mas provavelmente a gente vá até o país tocar em alguns festivais.

escutai: O Brasil é conhecido também pelas comidas, não só pelo público apaixonado, acreditamos que vocês saibam disso. Nessa vinda, vocês provaram alguma comida daqui? Gostaram?

Jack: Oh, sim! Maravilhoso!

Ryan: Nós comemos o melhor sushi das nossas vidas em São Paulo! O melhor.

escutai: Jura? Que legal! E das nossas comidas típicas, quais as que vocês provaram e mais curtiram?

Jack: Muitas, mas a minha acho que PÃO DE QUEIJO.

Ryan: Sim, pão de queijo é clássico, muito bom, mas eu gostei muito de CUPUAÇU, acho que é uma fruta ou algo do tipo. Nós todos provamos e eu amei!

Jack: Demais, o Ryan amou!

escutai: Que incrível! Agora, nos contem: vocês estão atualmente trabalhando em algo novo que podem compartilhar com a gente?

Jack: Claro! Nós começamos a compor nosso novo álbum! Nós já temos algumas músicas, o processo tá sendo bem rápido, na verdade, e esse sentimento é muito bom. Nós definitivamente tentamos mudar o nosso som de álbum pra álbum, estamos tentando fazer algumas canções sobre coisas diferentes do que já falamos antes, tem sido um processo bem libertador. Estamos tentando criar novos sons e curtindo.

escutai: Isso é muito incrível! Vocês tem alguma mensagem ou algo do tipo pros fãs brasileiros?

Jack: Cara, eu diria que o Brasil é definitivamente o lugar no mundo que mais nos pedem shows nas redes sociais. Nós vemos todo mundo dizendo “COME TO BRAZIL” e tal (risos). Então, não sintam que vocês não estão sendo notados, vocês estão! Nós queremos agradecer todo mundo que escuta nossas músicas e até quem vem nos ver por aqui. Muito obrigado! O Ryan não estava falando por falar e nem brincando, nós estamos fazendo o possível para estar aí em 2023.

Deixe uma resposta

Total
0
Share