fbpx

Sweeney Todd | Musical surpreende com imersividade e atuação

A adaptação brasileira é tudo que podemos esperar de um musical vindo da cabeça de Sondheim e com a direção certeira de Zé Henrique de Paula, está macabramente incrível.

Sweeney Todd – O Cruel Barbeiro da Rua Fleet, um musical original de Stephen Sondheim, acabou de ganhar sua primeira montagem brasileira e está em cartaz em um dos espaços cênicos mais interessantes de São Paulo, o 033 Rooftop do Teatro Santander. A adaptação brasileira é tudo que podemos esperar de um musical vindo da cabeça de Sondheim e com a direção certeira de Zé Henrique de Paula, está macabramente incrível.

Podemos dizer com tranquilidade que o espetáculo está maravilhoso. Antes de nos aprofundarmos na história, precisamos falar sobre a qualidade da produção dele. O figurino usado pelos atores foi criado e confeccionado pelo renomado estilista João Pimenta, que através da escolha das formas, caimento, cores e tecidos, nos transporta direto para uma época vitoriana.

Imagem: Stephan Solon (reprodução)

A atuação dos atores é imersiva e faz com que o público, em alguns momentos, sinta-se parte da Londres apresentada na história. Além disso, utilizam-se de 4 palcos espalhados por todo o salão do teatro e transitam entre eles, surpreendendo a audiência em vários momentos. A apresentação brasileira conta com uma banda ao vivo que, junto dos atores, leva o público a imergir nas cenas. Com um cardápio feito especialmente pelo chef Mário Azevedo, a experiência de imersão se intensifica ainda mais no momento em que alguém decide comer algo, transportando-se diretamente para a loja de tortas da Lovett.

Um dos grandes acertos que a adaptação brasileira tem, é sem dúvida, a presença de grandes nomes no ensemble, composto por Diego Luri, Renato Caetano, Sofie Orleans, Pedro Silveira, Edmundo Vitor, Bel Barros, Pamella Machado e Davi Novaes. Eles fazem com que o coro tenha um destaque importante para a história funcionar. Apesar de parecer que estão sendo pouco aproveitados em alguns momentos, as interpretações desse elenco trazem um complemento importantíssimo à atuação de Andrezza Massei e Rodrigo Lombardi.

Imagem: Stephan Solon (reprodução)

O macabro Sweeney Todd ganha vida pelas mãos de Rodrigo Lombardi. O ator surpreende no papel que dá título à obra e consegue dar um tom sombrio que o personagem exige desde a primeira música. O ar demoníaco do personagem que conhecemos no filme some um pouco nessa versão, mas é trazida uma leitura única ao sadismo assassino que ele tem. Quem contracena com ele é Andrezza Massei, que dá vida à Dona Lovett. A atriz, já conhecida no teatro musical, passou por produções como A Bela e a Fera, Mamma Mia!, A Pequena Sereia, Les Miserables e dividiu protagonismo com Marisa Orth na montagem brasileira de Sunset Boulevard. O talento dela é inegável e isso se comprova mais uma vez em Sweeney Todd, trazendo uma Donna Lovett única e incrivelmente afiada.

Mateus Ribeiro também é um dos destaques desse espetáculo. A caracterização do ator faz com que ele apareça irreconhecível. O mesmo já levou para casa um Prêmio Bibi Ferreira, em 2021, por seu desempenho como protagonista em “Chaves – Um Tributo Musical” (também dirigido por Zé Henrique de Paula). Desse vez, ele dá vida ao órfão Tobias Ragg. Ele tem uma construção boa ao decorrer da história e funciona bem como alívio cômico até o momento do desfecho da história.

Imagem: Stephan Solon (reprodução)

Em entrevista ao Folha de São Paulo, os atores destacam o caráter atemporal do espetáculo. Por se passar numa Inglaterra posterior à Revolução industrial, ela se aproxima – em alguns elementos – do Brasil que vemos hoje “a peça trata de temas como diferença de classes, abuso de poder e miséria. A identificação com os tempos atuais é imediata”, afirma Andrezza Massei. “Continuamos tendo filas para compra de osso e carcaça de frango”.

Algo que me surpreendeu bastante nessa montagem foi como usaram bem a iluminação para ambientar o espetáculo, principalmente nas cenas de assasinato. Encontraram uma maneira genial de mostrar as partes sangrentas para o público sem que fosse preciso envolver um derramamento de sangue (falso) e ainda assim desse a mesma emoção.

O musical agora se encontra esgotado até final da temporada, comprovando o sucesso e qualidade que estamos falando aqui. Ainda não se tem informações de novas datas. Caso tenha a oportunidade de ver antes da última data, aproveite, porque vale cada momento.

Confira como foi nossa experiência com o espetáculo!

Total
0
Share