fbpx

White Lies compartilha seu sexto álbum “As I Try Not To Fall Apart”

Com nomes de peso em sua ficha técnica, a banda inglesa White Lies mescla diversos gêneros e inspirações em um disco diverso e profundo.

A banda inglesa White Lies lança seu sexto álbum, “As I Try Not To Fall Apart”, via selo [PIAS]. Gravado nos estúdios Sleeper e Assault & Battery no Oeste de Londres, o disco conta com o colaborador de longa data Ed Buller, que trabalhou na maioria dos álbuns da banda, incluindo na sua estreia da banda, “To Lose My Life…”. O produtor retorna para produzir várias faixas junto com Claudius Mittendorfer (Weezer, Panic! At The Disco), que também atua produzindo e mixando o álbum inteiro.

“As I Try Not To Fall Apart” é o álbum mais expansivo da banda até agora, incluindo fortes doses de rock explosivo, sons electro-pop, invenção de inspiração progressiva, grooves com toques de funk e alguns de seus melhores ganchos até agora.

Trabalhando com Mittendorfer, versões formativas da abertura do álbum “Am I Really Going To Die” e o rock arejado da faixa-título foram capturadas, enquanto outra rodada de composição na casa de Buller antes de uma segunda sessão de gravação realmente os fez disparar. “Isso nos colocou na mesma página”, diz McVeigh. Logo um álbum coerente estava emergindo da névoa, um disco que mostrou tudo de bom sobre White Lies ao longo de sua carreira: ganchos afiados, sagacidade lírica sombria, cantos desafiadores, paisagens sonoras arejadas e instrumentação dinâmica.

Ao longo do álbum, eles combinam seu amor por pop e progressivo – a abertura “Am I Really Going To Die” apresenta uma letra ruminativa sobre a mortalidade, inspirada no filme Ivans Xtcde 2000, e é uma das produções mais funk que já fizeram, com guitarras chiques e uma construção ágil de baixo sob os vocais rápidos de McVeigh. “Eu e Charles somos grandes fãs de progressão”, diz McVeigh. A faixa-título, por sua vez, é uma joia pop eufórica: “Essa é uma música muito importante para nós, acho que vai definir o que é o próximo capítulo. É a coisa mais pop que já fizemos.” – diz Laurence-Brown. A batida barulhenta de “I Don’t Want To Go To Mars” foi inspirada pelo empresário Elon Musk e sua corrida espacial bilionária, enquanto “Blue Drift” combina grooves de acid-house com produção dos anos 80. Há uma mudança de marcha sônica com “The End”, que soa como uma música atmosférica da clássica banda The Cure sendo enviada ao espaço, e “There Is No Cure For It” – liricamente, uma sequência para a abertura – termina o álbum em alta.

Já se passou bem mais de uma década desde que o single revolucionário da banda, “Death”, apresentou um grupo para o qual a fragilidade da existência humana tem sido um critério constante. Agora, na casa dos trinta anos de idade, a visão do letrista-chefe Cave sobre o grande desconhecido evoluiu: “Acho que o lado da morte ou da mortalidade que sempre acho interessante é o fato de que todos sabemos que vai acontecer, e como diferentes pessoas navegam nisso” – afirma o músico.

A banda inglesa White Lies é composta por Harry McVeigh (vocais / guitarra),Charles Cave (baixo) & Jack Lawrence-Brown(bateria).

Total
0
Share